domingo, 28 de junho de 2009

Teoria Rogeriana: Aprendizagem Centrada na Pessoa

“O único homem que se educa é aquele que aprendeu como aprender: que aprendeu como se adaptar e mudar; que se capacitou de que nenhum conhecimento é seguro, que nenhum processo de buscar conhecimento oferece uma base de segurança”.
( ROGERS apud COELHO e JOSÉ, 1993 p.9)

A teoria de Carl Rogers nos remete a uma reflexão sobre o processo de aprendizagem que permeia a educação tradicional instigando-nos ao desenvolvimento de um posicionamento crítico no sentido de propor mudanças a esse processo apontando assim caminhos para a construção de uma aprendizagem mais significativa para o aprendiz, onde esta, “é mais que uma acumulação de fatos, é uma aprendizagem que provoca uma modificação, quer seja no comportamento do indivíduo, na orientação futura que escolhe ou nas suas atitudes e personalidade. É uma aprendizagem penetrante, que não se limita a um aumento de conhecimentos, mas que penetra profundamente todas as parcelas da sua existência”.(ROGERS, 2001)
Voltada para uma abordagem centrada na pessoa e utilizando o método da não diretividade (ou seja, o professor não interfere diretamente no campo cognitivo e afetivo do aluno), a proposição de Rogers implica num modelo de educação onde o indivíduo tenha liberdade e responsabilidade na escolha de caminhos que possam subsidiar a construção do conhecimento e que este só se concretiza quando o aluno é um agente ativo e o professor visto como um facilitador nesse processo. Dentro desse contexto, o estudante é o centro da sala de aula, podendo selecionar conteúdos que considera relevante para sua vida mantendo a partir daí, uma relação interpessoal com o facilitador que por sua vez deve ser autêntico, confiar na potencialidade de cada aluno possibilitando liberdade de expressão sem nenhum preconceito ou aversão e, ao contrário da aplicação de uma avaliação formal, facilitar o processo de auto-crítica e auto-avaliação por parte do aluno.
Está explícito no discurso de Rogers a sua inquietação acerca da metodologia adotada pelas escolas tradicionais onde suas regras são impostas de maneira vertical, ou seja, de cima para baixo, sendo o aluno percebido como um ser passivo, neutro diante da tomada de decisão acerca de sua aprendizagem.As escolas preparam seu currículo preocupadas no que deverão ensinar a seus alunos quando na verdade a proposta deveria ser outra, ou seja, “o objetivo de nosso sistema educacional, desde a escola maternal até a escola de pós-graduação, deve derivar-se da natureza dinâmica de nossa sociedade caracterizada por mudança, não por tradição, por processo, não por rigidez estática”, seu objetivo “deve ser o desenvolvimento de pessoas ‘plenamente atuantes’.(MILHOLLAN e FORISHA, 1978. p.175-176).
Apesar de alguns críticos considerarem utópica e irrealizável, a teoria rogeriana é bastante instigadora e revolucionária e, para que a mesma seja colocada em prática é necessário que ocorra uma mudança no âmbito educacional no sentido de proporcionar uma práxis pedagógica mais centrada no aluno, levando em conta seu real interesse,seus sentimentos, emoções, e esse objetivo é alcançado mais facilmente quando o professor na posição de facilitador, busca uma relação mais democrática com o aluno demonstrando preocupação e interesse pelo mesmo, facilitando assim o processo de aprendizagem.

8 comentários:

  1. ...FICANDO ASSIM DEMONSTRADO E COMPROVADO PELAS REAÇÕES A PROPOSTAS APRESENTADAS POR CARL ROGERS O ENGESSAMENTO EM QUE VIVEMOS O EMBOTAMENTO SOCIAL A HIERARQIZAÇÃO DAS RELAÇÕES COM MEIO DE PERPETUAÇÃO DO PODER.AINDA HAVERÁ UM TEMPO QUE CONSEGUIREMOS FINALMENTE ALCANÇAR UM SENTIDO NOVO DO INDIVÍDUO E SEU REAL VALOR COMO UMA OBRA DE ARTE DE VALOR INCALCULÁVEL E NÃO UM MERO OBJETO DE MANOBRA ROUBADO DE SUA CONDIÇÃO DE SER PENSANTE RESPONSÁVEL PELO SEU CRESCIMENTO E AMADURECIMENTO. CLAUDIO DRUMMOND

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. No Capitalismo as Teorias Humanistas e Cognitivistas perdem seu poder, pois a necessidade de produção e hierarquização da sociedade se impõem, apoiando o Tecnicismo. Provavelmente nunca o tecnicismo cairá, mas acredito que mesmo num mundo tecnicista é possível aplicarmos as teorias cognitivistas e humanistas.

      Excluir
  2. http://pt.shvoong.com/social-sciences/psychology/2366401-carl-rogers-abordagem-centrada-na/

    ResponderExcluir
  3. Palavras boas e orientadoras no que diz respeito ao processo de ensino e aprendizagem , visto que Rogers foi um dos teóricos que se interessou na boa qualidade, potencialidade e bem estar da pessoa.
    Gostei bastante e tirei algo proveitoso...

    ResponderExcluir
  4. Rogers, Moslow, Murray são peritos que mais contribuíram na Psicologia Humanista, à favor do ser humano…

    ResponderExcluir
  5. Ele acreditava que o ser humano, naturalmente bom, é essencialmente motivado por um processo voltado para o crescimento, que designava de "tendência para a realização! Que dicas!…

    ResponderExcluir
  6. Após 4 anos e meio desta publicação, observo que muito ainda existe a ser feito em prol da massificação educacional de qualidade, baseada nas teorias de Rogers, com vistas ao valor humano do indivíduo, como pessoa e ser pensante, relevante ao desenvolvimento sustentável da educação.

    Seguidores, avante, levante, execute, o mundo dos indivíduos necessitam e clamam mesmo inconscientes por isso.

    Alan Xavier - 28/12/2013.

    ResponderExcluir
  7. Gostei da teoria de Rogers,mas queria um exemplo de como inicia uma aula adotada ao seu fundamentos,pois entendi que que o aluno tem auta expressão ,mas tem deveres e regras a se cumprir.Então solicito informação sobre minha dúvida.
    Grata
    Carla

    ResponderExcluir